Em FocoÚltimas Matérias

Conheça mais sobre o vitiligo, doença de participante do BBB

Dermatologista Flávia Vilela: “geralmente a doença se desenvolve por tendências genéticas, mas existem indícios de que a vitiligo tenha origem autoimune e possa ser causada pelas próprias reações do corpo”

Entre os participantes da nova edição do Big Brother Brasil, a integrante do grupo pipoca, de 22 anos, Natália Deodato, fez com que o termo “vitiligo” tivesse um aumento de pesquisas no buscador do Google.

A mineira é a primeira participante do reality a ter essa doença que, segundo a Sociedade Brasileira de Dermatologia, em pesquisa realizada em junho de 2019, afeta 1% da população mundial e 0,5% da população brasileira.

Segundo a médica Flávia Villela, especialista em Dermatologia, de Ribeirão Preto/SP, o vitiligo é uma doença caracterizada pela perda de coloração da pele, devido a destruição de melanócitos, células que formam a melanina e que dão pigmento à cor do nosso corpo.

“Geralmente, ela se desenvolve por tendências genéticas, mas existem indícios, de que a doença tenha origem autoimune e possa ser causada pelas próprias reações do corpo, como por exemplo, condições emocionais de estresse e traumas psicológicos” afirma a médica.

Principais sintomas – “Mesmo sendo uma doença, o vitiligo não apresenta qualquer outro sintoma, além das manchas esbranquiçadas. O que preocupa, de fato, os dermatologistas são as condições psicológicas do paciente diagnosticado com a enfermidade, ressalta a Dra. Flávia Villela, ao explicar que como a doença afeta diretamente a aparência das pessoas, é sempre importante buscar um psicólogo para que ele possa auxiliar no tratamento das questões emocionais relacionadas à patologia.

“É muito importante frisarmos que o vitiligo é uma doença como qualquer outra. Por isso é importante que as pessoas sempre busquem um profissional adequado para que, juntos, possam administrar o tratamento da melhor forma”, diz ela.

Classificação – Apesar de não existir sintomas, algumas pessoas relatam sentir dores e sensibilidade no local afetado. Quando o vitiligo é detectado, o médico deve classificá-lo entre dois tipos: o segmentar ou unilateral, e o não segmentar ou bilateral.

“O tipo segmentar ou unilateral se manifesta em uma parte do corpo apenas, e costuma aparecer quando o paciente ainda é jovem. Neste tipo, os pelos e cabelos também podem sofrer com perda de coloração.

Já o não segmentar ou bilateral, é o que estamos mais acostumados a ver. Ele se manifesta nos dois lados do corpo; possui ciclos de perda da cor e períodos de estagnação, que ocorrem durante toda a vida do paciente”, informa a especialista.

            Tratamentos – A doença é incurável, isso é fato, mas com o avanço da tecnologia no tratamento de doenças, é possível interromper o aumento das lesões na pele. O paciente também consegue, através de medicamentos, induzir à repigmentação das áreas afetadas.

Segundo a Dra. Flávia Villela, “medicamentos como, tacrolimo, derivados de vitamina D e corticosteroides, são exemplos de medicações que ajudam no tratamento da doença. Outros métodos, que possuem resultados excelentes, são as sessões de fototerapia com radiação ultravioleta. Há, ainda, a fototerapia com ultravioleta A (PUVA), técnicas cirúrgicas ou até mesmo transplantes de melanócitos. “É importante também que o paciente não acredite em medicamentos ou procedimentos milagrosos. Como sabemos, a doença é incurável, e utilizar esses métodos podem causar frustração e agravamento da doença”, alerta a médica.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo