Em FocoÚltimas Matérias

5 perguntas frequentes sobre a varíola dos macacos

Diretor científico da Sociedade Paulista de Infectologia, Dr. Eduardo Medeiros, responde sobre esses questionamentos-Imagem de Alexandra_Koch por Pixabay 

 Muitas dúvidas sobre a varíola dos macacos surgiram nos últimos meses por conta do aumento no número e formas de transmissão. Até agora, o Brasil tem 6.129 casos confirmados de monkeypox, segundo dados divulgados pelo Ministério da Saúde divulgados no último dia 13 de setembro. A maioria das infecções foi registrada no estado de São Paulo. 

A Organização Mundial da Saúde declarou em 23 de julho a varíola dos macacos uma emergência de saúde global. Mais de 90 países onde a doença não é endêmica reportaram surtos, somando mais de 47,6 mil casos confirmados no mundo. No fim de julho, a OMS classificou a situação no Brasil como “muito preocupante”. 

Por este motivo, o Professor da Disciplina de infectologia da EPM-Unifesp e Diretor Científico da Sociedade Paulista de Infectologia, Dr. Eduardo Medeiros, esclarece as principais dúvidas. Confira. 

1 – A principal forma de transmissão é pelo contato com as lesões?

Sim, principalmente com as vesículas (pequenas bolhas) que possuem grande quantidade de vírus. Se após o contato com a lesão e as mãos não forem higienizadas e levadas à boca ou aos olhos, podem transmitir a infecção. 

2 – Quem tomou a vacina contra a varíola há mais de 50 anos está totalmente protegido contra a doença? 

Alguns estudos mostram que existe alguma proteção. O vírus da monkeypox é do mesmo gênero da varíola humana e pode ter proteção cruzada. Porém uma vacinação há muito tempo, pode não ter mais a mesma resposta imunológica.

3 – Devemos ter cuidado com as roupas do familiar que está com a monkeypox?

Se o familiar está com diagnóstico da doença, procure não sacudir as roupas, pois pode espalhar o vírus no ambiente. As roupas de cama e a vestimentas devem ser colocadas em um balde ou saco plástico e colocadas para lavar na máquina ou no tanque, deve-se evitar manipular as roupas antes de lavá-las. 

4 – Pacientes com a doença não transmitem aos seus animais de estimação?

É possível transmitir sim, se o animal lamber ou morder as lesões ou se a pessoa com a infecção na boca beijar o animal próximo da boca ou das mucosas. O vírus da monkeypox pode infectar mamíferos, em particular, roedores. A infecção em outras espécies ainda está sendo estudada, embora já exista relato de transmissão para animais domésticos.   

5 – O sexo seguro é uma medida de contenção a doença?

Sim, isso inclui o cuidado na escolha de parceiros sexuais e adotar medidas de prevenção. Evitar relação sexual com múltiplos parceiros é uma medida de prevenção, pois a principal forma de transmissão é o contato com as lesões. Se você tem relação sexual com várias pessoas, em um curto espaço de tempo durante uma epidemia, aumenta a possibilidade de encontrar um parceiro com monkeypox e adquirir a infecção. Como aconteceu com a infecção pelo HIV (vírus da Aids), a infecção acomete inicialmente grupos específicos mais expostos, no caso da monkeypox, homens que fazem sexo com homens, porém com o tempo se dissemina para mulheres. Muitas das lesões não se restringem ao pênis, vagina ou região perianal, assim, mesmo com o preservativo é possível ocorrer a infecção se existir contato com lesões em outros locais do corpo. 

Ainda segundo Medeiros, é importante que quem contrair a varíola dos macacos deve ficar em isolamento. “Ele deve ser mantido até que a pessoa não apresente mais lesões com crostas que, em geral, dura entre três e quatro semanas do início dos sintomas”, finaliza.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo