CampanhasÚltimas Matérias

Dia Mundial sem Tabaco:  cigarro eletrônico e narguilé são risco para a saúde vascular

De acordo com o Dr. Daniel Urban, não há diferença na forma de consumo de tabaco, qualquer tipo de cigarro é considerado nocivo.

Diferentes formas de cigarro – cigarro eletrônico, narguilé e tabaco – estão disponíveis no mercado e são consumidas em grande demanda pela população, o que resulta na alta do número de pacientes com alguma doença vascular devido ao hábito. O Dia Mundial Sem Tabaco, comemorado em 31 de maio, foi estabelecido para conscientizar sobre os riscos do fumo.

O cigarro tradicional é composto por tabaco e outras substâncias, como a nicotina, uma das responsáveis pela dependência. No chamado cigarro ‘natural’, o fumante fabrica seu próprio fumo, sendo assim, o tabaco não passa por processos químicos. No entanto, os malefícios à saúde venosa são iguais em ambos os cenários, como afirma o diretor da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular (SBACV- SP) – Seccional de Franca, em São Paulo, Dr. Daniel Urban Raymundo. “Não há diferença na forma de consumo de tabaco. Qualquer tipo de cigarro é considerado nocivo”.

Segundo ele, o cigarro eletrônico ganhou popularidade por também prometer ser menos prejudicial ao corpo, o que não é fato. Além da ação da nicotina, do tabaco e de outras substâncias, os metais que formam o dispositivo apresentam ameaças à saúde. Como exemplo, ele cita o narguilé (ou hooka), que, por possuir tabaco aromatizado e ser filtrado na água, acredita-se que não apresenta riscos. Seu fumo, porém, possibilita a intoxicação por monóxido de carbono e outras doenças. Pesquisas apontam que em uma sessão de narguilé de duas horas é possível consumir o mesmo que 100 cigarros.

De acordo com o Dr. Márcio Gonçalves de Sousa, que é chefe da seção de Hipertensão Arterial, Tabagismo e Nefrologia do Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia, o problema se intensifica devido ao grande tempo de exposição à fumaça. “Com a questão social, muita gente usando [o narguilé], o usuário acaba consumindo um grande volume de nicotina porque o padrão da tragada é maior (fumaça tragada é superior e mais frequente que o cigarro comum), e isso aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial”, declara.

Os riscos à saúde se estendem também aos fumantes passivos. Segundo o Dr. Márcio Gonçalves, um fumante passivo acaba consumindo até cinco cigarros sem necessariamente fumar. “Eles vão ter os mesmos males que um fumante convencional. O que vai diferir é a quantidade de exposição que essa pessoa teve, alerta, observando que os pacientes passivos sofrem até 38% de risco de infarto.

De acordo com o Dr. Daniel Raymundo, da Seccional da SBACV-SP, o consumo de tabaco, em suas diferentes formas, obstrui as artérias periféricas ao longo do tempo e impede o fluxo de sangue no corpo. O cigarro também altera a coagulação do sangue, ocasionando fenômenos tromboembólicos.

Consequências – “Os riscos dessas substâncias, independente de qual via são usadas – tabaco natural ou cigarro eletrônico – além das doenças cardiovasculares, podem ocasionar doenças pulmonares, como as DPOC (Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica), que são o enfisema e a bronquite crônica. O terceiro caso é o câncer, que abrange 55 tipos”, explica o Dr. Márcio Sousa, do Instituto Dante Pazzanese.

Segundo ele, o surgimento das doenças pode passar despercebido, por se tratar de condições silenciosas, como dores nos membros inferiores e dificuldades para caminhar. Sem o tratamento correto, esses sintomas podem evoluir para quadros agudos graves, como a trombose arterial.

Mesmo com a interrupção do hábito, o fumante pode carregar as consequências durante toda a vida. “As doenças arteriais associadas ao cigarro, geralmente depois de instaladas, não são mais reversíveis, mas podem se estabilizar após a interrupção do tabagismo. Já doenças como a trombose venosa, podem ser revertidas com o tratamento. Se retirar o fator de risco, no caso o tabagismo, diminui a possibilidade de o indivíduo ter novos eventos”, informa o Dr. Márcio Sousa.

Para escapar de qualquer complicação originada pelo cigarro, a melhor forma é não adquirir o hábito. Os fumantes devem realizar regularmente uma visita ao médico para monitorar a saúde e controlar suas consequências. “O cirurgião vascular é o especialista encarregado em diagnosticar e tratar as doenças vasculares periféricas que podem acometer o tabagista”, orienta o diretor da Seccional da SBACV-SP, Dr. Daniel Raymundo.

“O tabagismo é o principal fator de morte por doenças cardiovasculares nos países ocidentais. Existem vários mecanismos responsáveis, o hábito provoca a destruição da camada interna dos vasos sanguíneos, aumenta o colesterol e a formação de trombos. Esses fatores estão relacionados à ocorrência do Infarto Agudo do Miocárdio, do Acidente Vascular Cerebral e da Doença Arterial Obstrutiva Periférica, que, nos casos mais graves, pode levar a amputações. Os riscos de trombose venosa e embolia pulmonar também são altos. Outras possíveis consequências é o desenvolvimento de aneurismas, de ruptura e de óbito, que também são maiores nos fumantes. Nesse sentido, é muito importante que a população seja alertada sobre esses perigos, sobretudo os mais jovens, faixa etária em que o hábito do tabagismo vem aumentando”, assegura o presidente da Sociedade Brasileira de Angiologia e de Cirurgia Vascular – Regional São Paulo, Dr. Fabio H. Rossi.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo