Em FocoÚltimas Matérias

Rotinas estabelecidas após descoberta do HIV apoiaram protocolos de segurança de dentistas durante pandemia da covid-19

Imagem Pixabay

Mais de 38 milhões de pessoas vivem com HIV/Aids no mundo, segundo dados da Unaids. No Brasil, de acordo com o Ministério da Saúde, são mais de 920 mil infectados com o vírus, que tem como característica favorecer o desenvolvimento de infecções, inclusive na boca, fazendo com que dentistas tenham papel importante tanto no diagnóstico precoce quanto no acompanhamento e tratamento dos pacientes. 

Conforme explica o dentista e diretor de novos produtos da Neodent, Sérgio Bernardes É comum o surgimento de lesões na boca, provocadas pela baixa imunidade dos infectados ou pelo uso de medicamentos. Para o tratamento, a segurança dos pacientes e profissionais é fundamental. Por isso há uma série de protocolos de cuidados, de preparação, prevenção e proteção, que são atualizados constantemente com esse foco. Foi assim quando surgiram os primeiros casos de aids e mais, recentemente, na pandemia da covid-19”, complementa o profissional. 

Biossegurança – Sérgio Bernardes conta que protocolos mais rígidos de segurança em consultórios odontológicos surgiram em todo o mundo após a epidemia de HIV/aids. O uso regular de luvas e máscaras começou a se intensificar nesse período, como forma de proteger profissionais e pacientes. Outras ações de precaução, como a limpeza dos equipamentos e instrumentos, a esterilização e o descarte correto dos materiais descartáveis, foram práticas que ganharam maior força a partir da década de 1980 e que, hoje, são essenciais na prática odontológica. 

“Já se sabe que os consultórios são preparados para evitar qualquer tipo de transmissão de doenças, seja HIV, hepatites, covid-19, entre tantas outras. Na odontologia, existe um reforço constante para treinar profissionais e tranquilizar pacientes quanto à biossegurança e reforçar a importância da saúde bucal”, ressalta o dentista, que participou, durante a pandemia, da iniciativa Conta Comigo, desenvolvida pelo Grupo Straumann América Latina para apoiar os profissionais nos momentos mais críticos da crise sanitária. O projeto teve o apoio institucional do Conselho Federal de Odontologia (CFO), do International Team for Implantology Brasil (ITI) e da Universidade Ilapeo, e do Sebrae. Uma série de treinamentos gratuitos reforçou protocolos de biossegurança em quatro frentes: consultório, profissional, equipe auxiliar e paciente. 

Além de Sérgio Bernardes, os conteúdos foram elaborados pelo presidente científico e fundador da Neodent, Geninho Thomé, pelo professor da UFPR e especialista em biossegurança, Sérgio Guandalin, e pela cirurgiã bucomaxilofacial e implantodontista, Maria Claudia Vieira Guimarães. “Em momentos como a chegada de novas doenças de tão rápida disseminação, é necessário reforçar e criar novas rotinas de segurança dentro dos consultórios, que já são reconhecidamente ambientes preparados para evitar qualquer tipo de transmissão de doenças”, avalia o diretor de novos produtos da Neodent. Com temas como o uso adequado dos equipamentos de proteção individual, as mudanças na rotina do paciente dentro do consultório e os desafios constantes para os profissionais, a iniciativa chegou a ser replicada em vários outros países.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo