CampanhasÚltimas Matérias

Semana Mundial de Conscientização sobre o uso de Antimicrobianos – Projeto Stewardship Brasil

A Organização Mundial da Saúde (OMS) realizou em novembro a Semana Mundial de Conscientização sobre o Uso de Antimicrobianos. A campanha teve como objetivo aumentar a conscientização global sobre a resistência microbiana, além de incentivar as melhores práticas para prevenir o desenvolvimento e a propagação de infecções resistentes aos antimicrobianos. Vale ressaltar que a campanha também abrange outras áreas além da saúde humana, como a saúde animal e a agricultura. Em Belo Horizonte, esta ação foi encampada pela Rede Mater Dei, que promoveu ações entre os dias 18 e 24 de novembro, tendo como foco o tema “Unidos para preservar os antimicrobianos”.

A diminuição ou perda da eficácia dos antimicrobianos para curar ou prevenir infecções tem várias causas, sendo uma delas o consumo inadequado desses medicamentos. Más práticas de prescrição médica, a falta de adesão dos pacientes a tratamentos (interrupção do uso da medicação) e a automedicação são fatores que contribuem diretamente para o aumento da resistência antimicrobiana. 

De acordo com a OMS, se essas ações não forem tomadas, estima-se que até 2050 a resistência microbiana causará, anualmente, a perda de 10 milhões de vidas em todo o mundo, além de um prejuízo econômico de 100 trilhões de dólares. A OMS alerta, ainda, sobre outro agravante: o uso indevido de antibióticos durante a pandemia de Covid-19 pode levar à aceleração do surgimento e disseminação da resistência microbiana.

Rede Mater Dei e o uso de antimicrobianos – Atenta a essa questão, a Rede Mater Dei implementou em 2017 um programa abrangente de gestão clínica do uso de antimicrobianos que busca promover a seleção do regime farmacológico ideal. O objetivo é alcançar os melhores desfechos clínicos para os pacientes e a redução do consumo total destes medicamentos. Três condições clínicas muito frequentes e/ou de elevada morbidade foram selecionadas para avaliar os impactos assistenciais obtidos com a implementação do programa. São elas: infecção do trato urinário, pneumonia adquirida na comunidade e sepse. De acordo com a instituição hospitalar, pós três anos do início do Programa, os frutos desse trabalho começam a ser colhidos. As intervenções realizadas permitiram a melhora da adesão dos médicos aos protocolos clínicos definidos na Rede, a otimização do tempo total de tratamento, muitas vezes desnecessariamente prolongado, a mudança precoce para a terapia oral, quando possível, e a maior utilização de estratégias para aumentar a sensibilidade/especificidade diagnóstica. Isso permitiu reduzir significativamente o tempo de internação desses pacientes, sem impacto nas taxas de falha de tratamento. Impactos no perfil de resistência microbiana, contudo, requerem um tempo maior de avaliação.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo