AtualidadesÚltimas Matérias

Senado aprova data temática de conscientização sobre  doenças cardiovasculares em mulheres

SOCESP lembra que a cada 10 minutos uma mulher morre de AVC no Brasil e a cada 11 minutos de infarto

O Dia Nacional de Conscientização das Doenças Cardiovasculares na Mulher agora será celebrado em 14 de maio. A data foi aprovada no Senado, após ter sido também avalizada na Câmara dos Deputados. Agora, segue para a sanção do Presidente da República.

De acordo com a Sociedade de Cardiologia de São Paulo, a cada 10 minutos, uma mulher morre no Brasil em consequência de acidente vascular cerebral. Já o infarto faz uma vítima a cada 11 minutos. As doenças do aparelho circulatório são responsáveis por mais de 170 mil mortes de mulheres no Brasil, representando a primeira causa na população feminina e superando em duas vezes o número de óbitos por todos os tipos de câncer. Só no estado de São Paulo são mais de 40 mil óbitos.

 A data de 14 de maio foi escolhida por ser o aniversário de Betina Ferro, especialista em Clínica Médica, Cardiologia e pioneira na área acadêmica da cardiologia paraense.

Ela foi a primeira mulher a ministrar a cadeira de Propedêutica Médica na antiga Faculdade de Medicina e Cirurgia do Pará, em 1950.

Desde 2020, a Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo tem um grupo denominado SOCESP Mulher que promove ações para cardiologistas e profissionais de saúde, mas também para o público.

Levantamento da SOCESP constata que as doenças cardiovasculares que, há 60 anos vitimavam nove homens para uma mulher, atualmente estão quase na mesma proporção: um para uma. “Precisamos usar de todas as estratégias para informar que as mulheres também morrem por infarto, AVC e ficam doentes, quando não evitam os fatores de risco para o coração”, lembra a coordenadora Lilia Nigro Maia.

Fazem parte da SOCESP Mulher, além de Lilia Maia, a presidente da SOCESP, Ieda Jatene, as também cardiologistas Maria Cristina Izar, Salete Nacif, Isa Pispico, e a representante dos Departamentos, a psicóloga e psicanalista Suzana Avezum.

Por ser uma entidade multidisciplinar, a Sociedade reúne cardiologistas e associadas nas áreas de Educação Física, Enfermagem, Farmacologia, Fisioterapia, Nutrição, Odontologia, Psicologia e Serviço Social.

“Ter uma data específica de conscientização para as doenças cardiovasculares na mulher fará com que chamemos a atenção das autoridades públicas sobre a importância de investir em programas de prevenção primária e secundária, e a maior acesso ao diagnóstico, já que cerca de 70% da população é atendida pelo SUS. Também chamará atenção para a efetiva conscientização da importância de ter hábitos mais saudáveis, como alimentação e prática de atividades físicas regulares”, resume Lilia Maia.

De acordo, ainda, com a cardiologista, as doenças do coração são mais prevalentes nas classes sociais menos favorecidas, ocorre um aumento da incidência após a menopausa e os sintomas de infarto, na maioria das vezes, é distinto do homem.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo