AtualidadesÚltimas Matérias

Dia das Mães!: Sete dicas para mulheres que precisam ser “mãe” dos filhos e dos pais idosos

Elas fazem parte da chamada “Geração Sanduíche” e sofrem com desafios e pressões muito particulares na vida. Por isso, precisam tomar cuidados específicos para não sofrerem com problemas de ansiedade e depressão.

As políticas públicas voltadas para mulheres trouxeram inegáveis avanços nas vidas das brasileiras nas últimas décadas. Auxiliado também por progressos na medicina e descobertas sobre a saúde feminina, a expectativa de vida deste público, por exemplo, saltou de 48,3 anos, em 1940, para 80,1, em 2019 (período pré-pandemia). Outro aspecto essencial foi a inserção da mulher no mercado de trabalho e principalmente a ocupação de cargos de liderança. De acordo com uma pesquisa da consultoria Grant Thornton, o númerode mulheres em cargos de chefia no Brasil cresceu de 25% (2019) para 38% (2022).

Apesar da melhora no padrão de vida geral, as pessoas do gênero feminino passaram a enfrentar novos desafios, a partir destas novas dinâmicas sociais, principalmente no quesito maternidade. Uma dessas dificuldades afeta as chamadas mulheres da “Geração Sanduíche”, que acabam sendo “mães” de duas gerações distintas.

“A analogia refere-se às pessoas que recebem a pressão de um lado para cuidar dos filhos e do outro para cuidar dos pais idosos. O problema afeta principalmente mulheres, já que mesmo com os avanços, elas ainda cumprem mais esse papel social de cuidadoras do que os homens. Em todo esse contexto acrescenta-se ainda a questão profissional, já que elas ainda precisam lidar com a pressão diária das demandas do trabalho”, explica Márcia Sena, especialista em qualidade de vida na terceira idade e fundadora e CEO da Senior Concierge/São Paulo/SP , empresa que pratica um modelo de atenção integrada para dar suporte aos idosos.

Efeitos psicológicos na Geração Sanduíche – A CEO da Senior Concierge pontua que a Geração Sanduíche (também conhecida por outros termos como Geração do Meio ou Geração Pivô) representa principalmente mulheres que estão na faixa etária de 35 a 60 anos (com uma predominância maior entre 40 e 55 anos). Nessas fases da vida, parte das pessoas já possuem filhos, pelo menos na fase da adolescência, e pais idosos que ultrapassam os 70 anos.

A especialista lembra que há vários recortes específicos para as populações que integram essa geração, incluindo questões étnicas e econômicas. Apesar disso, ela salienta que de maneira geral essas mulheres sofrem com problemas como insônia, irritabilidade, estresse, baixa imunidade, obesidade e ansiedade.

Essas questões acabam surgindo porque elas sentem a pressão para que os filhos tenham uma boa educação, sejam bem-sucedidos, estejam protegidos dos riscos do mundo etc.

Em relação ao cuidado com os pais, que em alguns casos têm problemas de saúde debilitantes como Alzheimer, essas mulheres veem uma necessidade de retribuir o cuidado que elas tiveram na juventude. “Essa união de tensões acaba gerando um sufocamento que pode levar a doenças como depressão também”, observa.

Exemplificando outros recortes, no caso de mães solo, por exemplo, Márcia Sena defende que a situação é ainda mais complexa. Ela afirma que as dificuldades da Geração Sanduíche podem ser aliviadas quando as mulheres possuem parceiros que dividem as atribuições, o que não acontece com as mães solo. Além de lidar com o desafio cotidiano de cuidar dos filhos, que envolve o levar e buscar na escola, preparar a alimentação e promover atividades recreativas, as mães solos acabam tendo que dividir a preocupação com a situação dos pais idosos.

“A presença de um parceiro ou parceira não funciona apenas como um importante fator na distribuição de tarefas, mas, também, cumpre um papel essencial na questão afetiva e emocional. Por causa disso, ao passar por toda essa pressão de todos os lados, as mães solos ainda podem sofrer com baixa autoestima e encontrar mais dificuldade para achar uma pessoa para se relacionar, caso elas estejam procurando”, acrescenta.

Dicas para as “ensanduichadas” – Márcia Sena relata que é muito comum que as “ensanduichadas” questionem a si próprias se estão realizando um bom trabalho como mães, se não estão muito ausentes na relação com os pais idosos e se são boas o suficiente no trabalho. Esses pensamentos destrutivos fazem parte da “montanha russa” de emoções que elas passam durante essa fase da vida.

“Quando algo não dá muito certo e acontece um caso de doença, por exemplo, é comum que as mulheres pensem que não fizeram o suficiente para evitar aquela situação. No contexto de fragilidade emocional, pensamentos como esses a fazem se sentir para baixo e incapazes de lidar com todas as demandas”, relata a especialista destacando, porém, “que é essencial que essas mulheres não se sintam insuficientes, já que, na verdade, elas são seres humanos que pegaram muitas responsabilidades”.

Outra peça fundamental é pedir ajuda, “já que muitas das coisas que passam na nossa cabeça são interpretações equivocadas da realidade e podem ser desfeitas com a ajuda de um profissional”, afirma.

Ainda sobre isso, Márcia Sena elenca 7 dicas para mulheres que estão sofrendo na Geração Sanduíche:

  1.   Não se sinta culpada por causa do cansaço: a fadiga é um processo natural pelo qual todas as pessoas passam na sociedade contemporânea. A nossa rotina é naturalmente cansativa. Portanto, desde que esse cansaço não se torne algo constante, atrapalhe suas atividades e tire sua motivação, ele deve ser encarado com naturalidade.
  2.   Não tente ser perfeita: somos naturalmente imperfeitos e cometemos erros ao longo de nossa existência. Por causa disso, não é preciso se cobrar para acertar em 100% dos aspectos das nossas vidas, principalmente na criação dos filhos e relacionamentos com nossos pais idosos.
  3.   Esteja aberta ao diálogo: conversar e expor as situações é uma excelente forma de receber ajuda, já que muitas vezes sofremos sozinhas com nossos próprios “fantasmas”. Se os seus filhos já forem adolescentes, por exemplo, fale abertamente sobre quão complicada é a sua rotina e peça a contribuição deles para que a vida de todos fique mais confortável. O mesmo deve ser feito com os seus pais que, como adultos, conseguem entender ainda melhor sobre os seus dilemas.
  4.   Pense sobre as prioridades: o dia de todas as pessoas têm 24 horas e nem todos os afazeres podem ser feitos durante esse período. Ou seja, é essencial se planejar e pensar sobre quais são as prioridades em cada momento da vida. Em determinada época, o cuidado dos filhos será mais essencial. Em outra, o zelo com os pais pode demandar mais da sua atenção. Essa priorização é essencial para aliviar a pressão e te ajudar a tomar decisões importantes.
  5.   Você também precisa de cuidados: assim como nossos filhos e pais, nós também precisamos de atenção e afeto. Então, lembre-se: você precisa estar cercada de pessoas que lhe devolvam o carinho que você distribui.
  6.   Divida as tarefas da casa: os cuidados com os filhos e dos pais idosos não são atividades que precisam ser executadas somente por você. Portanto, compartilhe os afazeres tanto com o companheiro/companheira e familiares.
  7.   Cuide de você mesma: por último, é de extrema importância que você realize tarefas que lhe dão prazer e trazem satisfação. As atividades recreativas não servem somente como entretenimento, elas ajudam a nos dar motivação e muitas vezes dão significado para as nossas vidas.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo