EspeciaisÚltimas Matérias

Não deixe o corpo parado: Mexa-se! Em tempo de pandemia, a atividade física torna-se mais importante ainda

O ortopedista Rodrigo D´Alessandro:  “a caminhada é uma forma econômica e acessível para a maior parte das pessoas”

Fala-se muito sobre a importância da prática esportiva e da atividade física para a saúde. Em tempo de pandemia, essas atividades ficaram muito restritas, mas, mesmo assim, as pessoas podem fazer alguns exercícios em casa, no pátio ou na garagem do prédio onde moram. Para saber um pouco mais sobre a importância de não deixar o corpo parado, o Portal Medicina e Saúde entrevistou o ortopedista Rodrigo D’Alessandro de Macedo, especialista em coluna e membro do corpo clínico do Instituto Mineiro de Ortopedia e Traumatologia – IMOT- Belo Horizonte| MG.

Quais atividades o senhor indicaria em virtude do confinamento provocado pela covid?

Mens sana in corpore sano (“uma mente sã num corpo são”) é uma citação latina, derivada da Sátira X do poeta romano Juvenal. Presume-se que o poema tenha sido produzido entre 509 e 27 a.C., sendo até hoje para muitos, uma boa síntese do significado de qualidade de vida.

Tanto do ponto de vista físico como emocional, a atividade física é fundamental para a saúde do ser humano. Entre elas, a caminhada é uma forma econômica e acessível para a maior parte das pessoas, não requer um treinamento especializado, geralmente não requer gasto de tempo significativo no deslocamento até o local da atividade, não requer equipamentos sofisticados, pode ser realizada de forma individualizada ou em grupo.

Em tempo de pandemia, as atividades físicas devem obedecer às recomendações dos serviços regulatórios de cada prefeitura, pois estes órgãos levam em considerações diversos fatores relacionados a condição de tratamento da doença e da disseminação.

A maioria das cidades já liberaram as atividades que podem ser realizadas de forma individualizada e que possam ser realizadas com distanciamento, de acordo com os critérios de boa conduta, como evitar o contato físico e as aglomerações. Assim atividades como a corrida, a pratica do tênis e a natação estão permitidas em muitas cidades.

Caso os órgãos de fiscalização não permitam essas atividades, por considerarem que o momento não é oportuno, elas devem ser feitas nos domicílios. As bicicletas e esteira ergométricas entram como grandes aliadas. Também pular corda, fazer ginástica e Yoga (que podem ser assessorada através de canais eletrônicos). Ainda há uma série de atividades, a depender da criatividade e disponibilidade de cada pessoa. O importante é não deixar o corpo parado.

De que forma a caminhada influencia a saúde? Ela deve ser diária? Durante quantos minutos?

Antes de mais nada, é importante sempre fazer uma avaliação médica para definir a ocorrência de alguma condição que contraindique a pratica esportiva. Quanto a intensidade deve ser levada em conta a idade, a condição física da pessoa – como o índice de massa corporal, se é iniciante ou já pratica alguma atividade física. Na maioria das vezes é possível propor um esquema de treinamento que favoreça um incremento progressivo na intensidade e no tempo da atividade. Para melhor controle, a pessoa pode utilizar a classificação de uma pesquisa inglesa que determina a condição de saúde da pessoa:  até 5 mil passos: sedentário; de 5 mil a 7,5 mil: insuficientemente ativo; de 7,5 mil a 10 mil: pouco ativo; e a partir de 10 mil: saudável.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) recomenda 30 minutos de caminhada por dia. Sua prática promove os seguintes benefícios:

·        Reduz a gordura corporal

·        Reduz a pressão sanguínea

·        Melhora a tolerância à glicose

·        Reduz a predisposição a vários tipos de câncer

·        Combate a osteoporose

·        Melhora a lombalgia

·        Recupera o vigor sexual

·        Fortalece o sistema imunológico

·        Trata a diabetes do tipo 2

Como ela deve ser praticada?

De preferência com roupas adequadas ao clima. Considerando que vivemos no Brasil, geralmente com temperaturas elevadas, usar roupas leves, que permitam a troca do calor com o ambiente, é o ideal. O uso de bonés e protetor solar são sempre aconselháveis também. O calçado deve ter um bom amortecimento. Felizmente o mercado apresenta várias marcas e modelos adequados, inclusive para corrida.

Quanto melhor horário para caminhar, o ideal é no período em que a temperatura esteja mais amena. O tempo depende da disponibilidade e condição física do indivíduo para fazer efeito/emagrecer/ter boa forma. Daí a importância de sempre passar por um exame médico antes de iniciar a prática esportiva.


E como deve ser a alimentação?

O ideal é sempre consultar um nutricionista. De acordo com a condição física e o objetivo de cada pessoa, ele vai estabelecer a melhor dieta alimentar e com proposta de alimentos para antes, durante e após cada atividade física.

Quais os impactos na coluna vertebral no caso de se usar um calçado inadequado?

O calçado inadequado pode predispor a ocorrência de dor não só na coluna vertebral, como nas articulações que suportam carga, como as articulações dos pés, joelhos, tornozelos e quadril. Da mesma forma, predispõe a ocorrência de estiramento muscular.

A pessoa deve consultar um especialista em coluna antes de começar a caminhada?

Caso exista qualquer queixa de dor ou deformidade da coluna é fundamental a avaliação com especialista. Do contrário, basta uma consulta com o clínico geral para avaliar especialmente a ocorrência de alguma condição especialmente cardiológica que contraindique ou mesmo leve à alguma restrição quanto à intensidade da atividade física.

E para atividades de maior impacto?

Para tais atividades, considero que as recomendações acima devem ser seguidas de forma mais rigorosa.


Quais os sinais de que a caminhada está sendo bem-feita?

Quando ela atinge os objetivos previamente estabelecidos, como, por exemplo, uma melhor disposição para as atividades diárias, uma melhor qualidade do sono e o controle das condições que ela se propõe a atenuar ou resolver, como o emagrecimento, melhora no controle da diabetes e hipertensão arterial.


E o contrário, quando ela e/ou a atividade física praticadas, não estão sendo bem-feitas?

Nesses casos, quando há alguma sintomatologia adversa e não esperada, como dor e/ou tonteira, e quando os objetivos propostos não estão sendo alcançados.

De uma forma geral, a enorme maioria das pessoas está apta a fazer a caminhada. Muitas vezes, precisam de um estímulo e de uma orientação como proposta alimentar e realizar um treinamento progressivo com objetivos. As metas são importantes, pois estimulam as pessoas a se manterem ativas e progredirem na intensidade e no tempo gasto com a atividade.

Com relação especificamente à caminhada, cabe lembrar que essa atividade pode também ser realizada em piscinas. Nesta condição ela tem baixo impacto para as articulações que suportam carga. Esta condição favorece a prática para pacientes com quadro de obesidade e/ou artrose significativa em que uma caminhada na rua ou esteira ocasione dor. O importante é sempre que possível se manter ativo. Existe uma máxima que diz que “atividade é vida “.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo