Em FocoÚltimas Matérias

Paciente recupera audição após cirurgia inédita em Campinas

Ana Paula Castro Lyra Macedo: “agora vou voltar a ter uma vida social e a tocar violão. Nem acredito que vou voltar a ouvir os pássaros quando acordar”. Crédito: Leandro Ferreira

Novembro, 2020 – Um mês após uma cirurgia auditiva inédita em Campinas, realizada pelo Vera Cruz Hospital, a coordenadora de Sistema de Gestão da Qualidade, Ana Paula Castro Lyra Macedo, de 40 anos, que sofria de perda auditiva moderadamente severa nos dois ouvidos, voltou a escutar os primeiros sons nesta terça-feira (24), após a instalação de uma prótese moderna e mais segura. Emocionada, ela comemorou a recuperação da audição que perdeu com o agravamento de uma otite (infecção no ouvido), que resultou em tumor benigno. “Agora posso voltar a ter uma vida social e a tocar violão. Nem acredito que vou voltar a ouvir os pássaros quando acordar. Parece um sonho”, afirmou Ana Paula, que começou a perder a audição quando tinha 10 anos. “Essa redescoberta será muito importante para ela. Estamos muito gratos por essa cirurgia tão assertiva, e por todos os cuidados de cada um dos profissionais envolvidos no processo de reabilitação dela”, completa a irmã, Carla Lyra.

“Essa prótese faz com que o som atravesse direto para dentro da cóclea, ou seja, não passa pelo tímpano, martelo, bigorna e estribo. Vai direto do osso, atrás da orelha, para dentro da cóclea e para o nervo. Então, se a pessoa tem alguma doença no meio do caminho, isso não influi e a gente consegue reabilitar 100% da audição”, explicou o cirurgião otorrinolaringologista Henrique Gobbo. “São próteses modernas, que trazem maior conforto ao paciente, incluindo o conforto estético, pois são praticamente invisíveis. Além disso, ainda conseguimos dar conectividade a essas próteses. Essas próteses corrigem a surdez e, ainda, podem ser conectadas ao celular para o paciente ouvir música, por exemplo”, completou.

A ativação da prótese foi realizada pela fonoaudióloga Elaine Soares, profissional fundamental para a evolução no processo de adaptação de Ana Paula. “Hoje, graças aos avanços da ciência, tanto na medicina quanto nas tecnologias, é muito raro uma perda que não possa ser reabilitada. Aparelhos como esse são nossos principais aliados”, afirmou a especialista em radiologia. “A ativação funciona como uma audiometria e a da Ana Paula foi realizada com 100% de sucesso. É impossível não se emocionar ao ver um paciente completamente satisfeito, ouvindo novamente”, completa. O aparelho possui controle remoto, que inclui, ainda, programa de controle de ruído.

Prevenção à Surdez – A ativação foi feita duas semanas após o Dia Nacional de Prevenção à Surdez. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), de 2015, apontam que no Brasil existe um total de 28 milhões de pessoas com surdez. Isso representa 14% da população. Segundo o órgão, 10% da população mundial têm alguma perda auditiva. “A perda ou a diminuição da capacidade de ouvir pode ser causada por uma série de fatores, como otites mal curadas ou de repetição; uso de remédios prejudicais à audição; problemas no tímpano, tumores, envelhecimento, frequentar ou trabalhar em locais barulhentos; uso contínuo de fones de ouvido em volume alto; hereditariedade, entre outros fatores”, explica o cirurgião otorrinolaringologista. “No caso dos bebês, se estimulado até o sexto mês, conseguimos reduzir as consequências geradas pela surdez como a falta de fala e a impossibilidade de comunicação. Por isso, é importante procurar um especialista”, explica a fonoaudióloga. “Nos adultos é importante ressaltar que a perda auditiva pode vir acompanhada de graves problemas emocionais, por isso buscamos sempre as melhores soluções em reabilitação, para que a vida desses pacientes seja completamente normal”, ressalta.

De acordo com o especialista, nos adultos, a perda auditiva pode gerar dificuldades de socialização ou desempenho laboral. Já no idoso, o afastamento e isolamento social e familiar, e até a depressão. “Por isso, a importância na escolha da prótese, assim como foi feito com a Ana Paula. Se trata de um implante de condução óssea ativo do modelo mais avançado que existe e que é implantado totalmente sob a pele”, explica o cirurgião, que em 2014 já havia realizado outro procedimento inédito no Vera Cruz Hospital/Campinas. “Naquele ano, fizemos a segunda cirurgia desse tipo e, agora, com o lançamento de um novo modelo, estamos novamente realizando o segundo procedimento no país”, celebra Gobbo.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo