Em FocoÚltimas Matérias

Reprodução assistida: conheça as 5 técnicas mais usadas

De acordo com o Dr. Marcos Sampaio, da Clínica Origen/BH, com a evolução da reprodução assistida e técnicas associadas a ela, conseguimos hoje auxiliar os pacientes a terem filhos

Com o avanço da tecnologia aplicada à medicina, algumas dificuldades enfrentadas por um casal ou uma pessoa que tinha o sonho de ter filho foram superados de forma segura e extremamente eficaz. É o caso de quem não conseguia engravidar, por infertilidade, esterilidade ou doenças hereditárias dominantes, o que, consequentemente, acabava por impedir que o processo ocorresse de forma natural ou o tornava mais difícil de ser concretizado. “Mas com a evolução da reprodução assistida e técnicas associadas a ela, conseguimos hoje auxiliar os pacientes a terem filhos”. A afirmação é do Dr. Marcos Sampaio, clínica Origen de Belo Horizonte/Minas Gerais.

Segundo ele, o processo acontece pela manipulação de, pelo menos, um dos gametas (espermatozoides e/ou óvulos) e dos meios de fecundação, preparando as condições ideais para que o processo ocorra da maneira planejada. O procedimento pode ser realizado de diversas formas, pois, ao longo dos anos, foram desenvolvidas novas técnicas que se mostraram mais propícias para facilitar a fecundação. Conheça cada uma delas abaixo:

Relação Sexual Programada – Coito Programado

Nesse método, a mulher faz um tratamento com hormônios para estimular o desenvolvimento do(s) folículo(s), que contêm um óvulo cada em seu interior. Quando ele atinge o tamanho ideal, a mulher utiliza outro hormônio para induzir a liberação do óvulo (ovulação). O tratamento é acompanhado por ultrassonografia para controle do crescimento. Após a indução da ovulação, o casal deve manter relações sexuais próximas ao momento da ovulação, isto é, 36 horas após a injeção. Deve-se levar em conta a idade da mulher, a permeabilidade tubária. As taxas de sucesso são ao redor de 15%.

Inseminação Intrauterina (IIU) Artificial

A inseminação intrauterina é um dos métodos mais comuns devido à sua baixa complexidade, pois apenas um dos gametas é manipulado: o espermatozoide. Para ser realizado, é importante que os espermatozoides, depois de coletados, sejam devidamente capacitados. A capacitação é um processo determinante, pois permite a separação dos espermatozoides mais ativos e aptos a fertilizar o óvulo. Tendo a quantidade desejável de gametas masculinos, o médico, então, os deposita na cavidade uterina para que ocorra a fecundação in vivo nas trompas uterinas. Esse método tem cerca também de 15% de sucesso e é recomendado para homens que apresentem o espermograma (teste que avalia a qualidade dos espermatozoides) leve ou moderadamente alterado. Nesse tratamento, a mulher recebe a mesma estimulação ovariana realizada na relação sexual programada. Deve se levar em contar a idade da mulher

FIV (Fertilização in vitro)

Para os casais que não obtiveram sucesso após três ciclos de tratamento com a relação sexual programada ou com a inseminação artificial, ambas consideradas técnicas de baixa complexidade, é recomendado que se submetam à fertilização in vitro (FIV). Essa técnica é também indicada como primeira opção para diversas situações – cada casal ou indivíduo é único e, portanto, cada procedimento será recomendado pelo médico da Origen, de acordo com o perfil das pessoas.

Na FIV, inicialmente realiza-se a estimulação ovariana na mulher, com a administração de hormônios, para aumentar o número de óvulos disponíveis para a fertilização. O controle do desenvolvimento folicular é acompanhado por meio de exames de ultrassom e de sangue para dosagem hormonal. Quando os folículos atingem o tamanho adequado, é feita a coleta dos óvulos e do sêmen. Aproximadamente 40 mil espermatozoides serão colocados juntos a cada óvulo para que ocorra a fertilização, no laboratório. Os embriões formados e selecionados serão transferidos para o útero, para que a gestação tenha seu prosseguimento de forma natural. As taxas de sucesso ficam entre 5% e 55% por tentativa, dependendo de cada caso, e, principalmente, da idade da mulher.

Injeção Intracitoplasmática de espermatozoides (ICSI)

Semelhante à fertilização in vitro, a injeção intracitoplasmática difere-se apenas na etapa final, já que, neste caso, a inseminação (colocação do espermatozoide junto do óvulo) é feita por injeção diretamente dentro do óvulo, com o auxílio de micro manipuladores.

Doação de Óvulos

Essa técnica é indicada para mulheres que não tenham mais óvulos ou apresentem quantidade muito reduzida associada à baixa qualidade. Isso ocorre em idade avançada, menopausa precoce ou problemas relacionados à produção de óvulos. A receptora faz uso de medicamentos que preparam seu útero para receber o embrião e a fecundação ocorre in vitro com os espermatozoides do marido. A taxa de sucesso é semelhante à obtida com a FIV/ICSI.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo